Riocard: Fetranspor bloqueia saldo no cartão

Publicada em 21/04/2009 às 23h43m

RIO - Usuários do serviço de vale-transporte eletrônico de ônibus, metrôs e trens do Rio estão com passagens retidas pela Federação de Ônibus do Rio de Janeiro (Fetranspor) e não são informados disso. É o que revela reportagem de Bruno Villas Bôas e Camila Nobrega, publicada na seção 'Defesa do Consumidor', do Globo, publicada nesta quarta-feira.

Quando descobrem, os usuários têm dificuldades para resgatar o dinheiro e podem ficar no prejuízo. O sistema do Riocard - vale-transporte eletrônico da Fetranspor que vigora desde 2004 - bloqueia novos depósitos no cartão dos usuários que têm mais de duas recargas (dois meses) acumuladas. O crédito excedente fica depositado na empresa Riocard, que pertence à Fetranspor e administra os 2,5 milhões de cartões em circulação no Estado do Rio.

Usuário pode resgatar crédito com a empresa onde trabalha

A falta de informação e a dificuldade para falar com a Fetranspor e o Riocard são queixas frequentes dos usuários. Embora existam 2,5 milhões de cartões, a central de atendimento telefônico do Riocard tem apenas 40 posições. A empresa garante ter atendentes para falar com o consumidor, mas O GLOBO tentou diversas vezes, em diferentes dias e horários, e havia apenas atendimento eletrônico.

Segundo o Riocard, o crédito acumulado não pode ser diretamente ressarcido aos consumidores. A administradora entende que o dinheiro pertence, na verdade, à empresa empregadora, e não ao usuário. Por isso, para pedir ressarcimento, o dono do cartão precisa procurar o departamento pessoal da empresa onde trabalha, informar sobre seu saldo excedente e negociar a devolução.

Sobre as dificuldades de se obterem informações com o Riocard, o diretor de Marketing e Comunicação da Federação, João Monteiro, diz que o call center está preparado para atender aos usuários e garante que as ligações são direcionadas para atendentes. Segundo ele, a Fetranspor se prepara para atender tanto a funcionários quanto a empregadores.

Voltar

Ata Consultoria - Tecnologia em Rotas Econômicas
Todos os direitos reservados - 2010